PRESIDENTES MAÇONS – HERMES DA FONSECA

Hermes Rodrigues da Fonseca, sobrinho do marechal Deodoro, nascido em São Gabriel (RS), a 12 de maio de 1855, e falecido em Petrópolis (RJ), a 11 de setembro de 1923, foi militar, político e sexto presidente da República.

Ingressando na Escola Militar, em 1871, ele não escapou da influência de Benjamin Constant, tornando-se ardoroso republicano e ingressando na maçonaria, a 6 de outubro de 1876, através da Loja “Ganganelli do Rio”, do Rio de Janeiro. Nos acontecimentos de 15 de novembro de 1889, teve participação, ao lado de Deodoro, de quem seria ajudante de ordens, no posto de capitão.

Na Revolta da Armada, de 1893, destacou-se na defesa do governo de Floriano. De 1899 a 1904, comandou a Brigada Policial do Rio, assumindo, depois, o comando da Escola Preparatória e Tática do Realengo, sendo promovido a marechal, no final do governo de Rodrigues Alves. No governo de Afonso Pena, foi ministro da Guerra, empreendendo a reforma do Ministério e introduzindo a lei do serviço militar obrigatório.

A 22 de maio de 1909, a Convenção Republicana efetivava a sua candidatura á presidência da República, com o apoio de todas as bancadas estaduais no Congresso, com exceção das de S. Paulo e Bahia, que lançaram a candidatura de Rui Barbosa, originando a campanha civilista.

Eleito e empossado, Hermes enfrentaria, logo, a Revolta dos Marinheiros, liderada por João Cândido, que exigia a cessação dos castigos com a chibata, seguida do levante do Batalhão dos Fuzileiros Navais e pela campanha do Contestado, movimento de massas, semelhante ao de Canudos e ocorrido numa região em litígio, entre Paraná e Santa Catarina, provocada pelo beato José Maria. Hermes conseguiu manter a ordem, com o apoio do Partido Republicano Conservador, organizado pelo maçom Pinheiro Machado. O fato mais grave ocorrido em seu governo, contudo, foi o movimento chamado de “salvacionismo”, feito com o apoio de pessoas ligadas ao presidente e empenhado em acabar com as oligarquias, tendo deposto os governadores de vários Estados, o que causou choque com Pinehiro Machado, sustentáculo parlamentar do governo.

No plano administrativo, fortaleceu o Itamaraty, com o barão do Rio Branco, dinamizou o programa de construção de ferrovias e de escolas técnico-profissionais.

Deixando o cargo, foi para a Europa e, ao retornar, em 1920, assumiu a presidência do Clube Militar e formou, ao lado de Nilo Peçanha, na Reação Republicano; com a revolta de 1922, ficou preso durante seis meses e retirou-se, depois, para Petrópolis.

Fonte: http://www.pael.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: